Meningioma em placa da base do frontal com disseminação às cisternas basais e clivus. Acompanhamento de 10 anos.
(histologicamente: meningioma rico em linfócitos e plasmócitos)
..
Masc.  69 a.  Desde 1995 baixa progressiva da acuidade visual. Em outro serviço,  diagnosticado tumor em região frontal, operado em fev 1996, com piora da acuidade visual em OE a partir disso. O relatório cirúrgico foi de meningioma frontal basal invadindo até quiasma e tratos ópticos. Resultado anátomo-patológico meningioma atípico, rico em infiltrado linfoplasmocitário.   Não foi submetido a radio ou quimioterapia. 

Primeiro atendimento na UNICAMP em 1998.  Exame de fundo de olho papilas pálidas bilateralmente, principalmente em região temporal, mais em OD.  Acuidade visual sem correção: OD percepção luminosa; OE conta dedos a 1,5 m (20/400). Estrabismo convergente à D, por lesão dos nervos III, IV e VI à D. Tem RMs em 1998 (abaixo) e 1999. 

Em jan 2000, já totalmente amaurótico, foi submetido a craniotomia pterional D, com exérese parcial de lesão tumoral de base nas fossas anterior e média D, notando-se extensa meningiomatose envolvendo o N. óptico D, quiasma e A. carótida interna D.  O exame anátomo-patológico revelou tecido constituído quase exclusivamente por denso infiltrado linfoplasmocitário, com células meningoteliais formando redemoínhos aqui e acolá, interpretado como meningioma rico em infiltrado inflamatório inespecífico. 

A partir daí teve acompanhamento anual com RM, revelando progressão extremamente lenta do tumor. Atualmente, amaurose bilateral, sem outras queixas.  O exame mais recente (outubro de 2005) está apresentado abaixo, comparado com o de 1998

Obs. Caso já apresentado na coleção de meningiomas por topografia

..
 
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA  PRÉ-OPERATÓRIA, 1996
..
CORTE  CORONAL, T1 COM CONTRASTE,  mostrando   neoplasia em placa, baseada na dura-máter do teto da órbita, um pouco maior à E, com impregnação homogênea por contraste. 
..
Scout dos cortes oblíquos abaixo, que varrem da E para a D num plano destinado a visualização do nervo óptico E. 
..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA    21/7/1998
..
Implantada no plano esfenoidal, estendendo-se à parede lateral do seio cavernoso D, dorso da sela e porção medial da face orbitária do frontal D, formação em placa de até 1 cm. de espessura, com porções boceladas, mostrando isosinal em todas as seqüências e impregnação por contraste. O tumor estende-se às cisternas supraselar e perimesencefálica, maior à D.  Na porção anterior do plano esfenoidal, a proliferação engloba o N. óptico D. Dilatação ventricular (ventrículos laterais e IIIº ventrículo) mais acentuada no corno frontal E.  Lacuna córtico-medular no pólo frontal E com gliose (seqüela de acesso cirúrgico). Conclusão meningioma residual. 
..
CORTES  AXIAIS
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
..
CORTES CORONAIS, T1 COM CONTRASTE
....
CORTES  SAGITAIS
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA    14/10/2005
..
Lesão extraaxial sólida, em placa, de contornos bocelados, acometendo as fossas anterior e média D, sobre a lâmina crivosa, osso esfenóide (especialmente sobre a asa D) e sela túrcica. Posteriormente estende-se ao clivus, envolvendo os seios cavernosos, cisterna supraselar na região do polígono de Willis, a cisterna perimesencefálica e chegando à tenda do cerebelo. A lesão é isointensa em T1 e T2, com forte impregnação homogênea por contraste. Há aumento de volume em comparação com exames anteriores.
..
CORTES  AXIAIS.  Chama a atenção a tendência do tumor a crescer ao longo de superfícies, como no clivus.  A progressão posterior do tumor parece  efetuar-se ao longo das artérias comunicantes posteriores e cerebrais posteriores, que estão parcialmente englobadas pela neoplasia. 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE T2
..
CORTES  AXIAIS, DETALHE. Notar a importância dos estudos com contraste para evidenciar o tumor, já que, sem contraste, este tem isosinal em T1 e não se destaca. 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
....
CORTES  CORONAIS,  T1 COM CONTRASTE
..
CORTES  SAGITAIS. Apesar do crescimento ao longo da superfície dural, o tumor não infiltra os ossos da base do crânio e não causa hiperostose, ao contrário dos meningiomas da pequena asa do esfenóide. 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
..


..
QUADRO  COMPARATIVO, CORTES AXIAIS. Demonstram a progressão extremamente lenta do tumor em mais de 7 anos. A inclinação da cabeça é um pouco diferente nos dois exames. 
1998 2005
..
CORTES CORONAIS
1998 2005
..
CORTES  SAGITAIS
1998 2005
..
Para  histologia e imunohistoquímica deste caso, clique  »
..
Mais sobre meningiomas:  Textos  didáticos ilustrados :
Texto básico
Imagem
Macro
Micro
Imunohistoquímica
Microscopia eletrônica
Meningiomas grau I
Meningiomas graus II e III
..
Banco de imagens  Neuroimagem: meningiomas por topografia Neuroimagem :  casos Neuropatologia :  casos
Meningiomas mais raros: microcístico
(1) (2)
angiomatoso
(1) (2) (3)
secretor
(1) (2) (3)
rico em linfócitos
e plasmócitos
com metaplasia adiposa 
(1) (2) (3)
xantomatoso
(1) (2)
atípico
(1) (2)
com infiltração 
cerebral (1) (2)
cordóide
(1) (2)
células claras
(1) (2)
rabdóide papilífero
Meningiomas, microscopia eletrônica: meningotelial, transicional secretor
(1) (2) (3)
células claras 
(1) (2)
metaplásico - lipidizado xantomatoso, angiomatoso xantomatoso, angiomatoso, microcístico rabdóide
..
Neuropatologia
- Graduação
Neuropatologia - 
Estudos de casos
Neuroimagem
- Graduação
Neuroimagem - 
Estudos de Casos
Roteiro 
de aulas
Textos 
de apoio
Correlação 
Neuropatologia - Neuroimagem
Índice alfabético - Neuro Adições recentes Banco de imagens - Neuro Textos ilustrados Neuromuscular Patologia - outros aparelhos Pages in English
..
..