Esclerose tuberosa.  Túber cortical gigante.
5.  Marcadores neuronais - SNF, NF, SMI-32
..
Masc. 1 a. 9 m.  Clique para TC, RM, macro, HE, tricrômico de Masson, reticulina, LFB-Nissl, destaques da imunohistoquímica, GFAP, vimentina, MAP2, cromogranina, SNF, NF, SMI-32, CD34, Ki67
..
Sinaptofisina.  Botões sinápticos.   Sinaptofisina (SNF), uma proteína associada a vesículas sinápticas (para breve texto, clique), decorou elegantemente muitos dos neurônios aberrantes encontrados neste túber, realçando o contorno celular. O citoplasma foi negativo, exceto em raras células. O achado demonstra que neurônios, embora muito anormais, eram contactados por terminais sinápticos, possivelmente de outros neurônios da lesão. É especulativo se participavam terminais axonais de células de outras áreas cerebrais e o quanto essas sinapses influíam na atividade epileptogênica. 
....
Sinaptofisina. Positividade citoplasmática.   Poucas células tinham marcação citoplasmática para SNF, mas o achado não seria inesperado, pois a proteína é sintetizada no retículo endoplasmático rugoso das mesmas. 
..
Sinaptofisina. Neurônios  vacuolados.    Neurônios com vacuolização citoplasmática comportavam-se de forma análoga aos não vacuolizados. A importância ou significado destes vacúolos nos é obscura. Há trabalho opinando que poderiam resultar de lisossomos anormais.  Ver: Goto J. et al. Regulable neural progenitor-specific Tsc1 loss yields giant cells with organellar dysfunction in a model of tuberous sclerosis complex. Proc Natl Acad Sci U S A. 2011 Nov 8;108(45):E1070-9. 
..
..
..
Neurofilamento (NF).   Proteína de neurofilamento, uma variedade de filamento intermediário do citoesqueleto expresso em neurônios, demonstrou o citoplasma dos neurônios aberrantes deste túber gigante da esclerose tuberosa. As células são agigantadas, com contorno irregular, dendritos espessos e sem orientação definida. Os aspectos assemelham-se aos obtidos com MAP2 e SMI-32
..
NF.  Neurônios gigantes. 
..
NF. Células negativas.  Astrócitos ?    Admitimos que muitas das células não reagentes para NF corresponderiam a astrócitos. Algumas, porém, deixam dúvida, pois as feições citológicas são praticamente superponíveis às dos neurônios, sendo inclusive algumas vacuoladas. Em vista das aberrações grosseiras observadas na lesão, não é impossível que alguns neurônios pudessem não expressar NF.  Variabilidade de expressão gênica não é novidade em tumores. Ver, por exemplo, um astrocitoma subependimário de células gigantes, de outro paciente com esclerose tuberosa, onde a expressão de GFAP e S-100 vai de forte a ausente em células vizinhas.  Células de natureza duvidosa foram também observadas com HE e LFB-Nissl
..
..
..
SMI-32.   SMI-32 é outro anticorpo contra proteína de neurofilamento, da variedade H (heavy) e não fosforilada (para breve texto, clique). Os resultados foram muito semelhantes aos com NF acima. 
..
SMI-32. 

SMI-32 (Sternberg Monoclonals Incorporated, product  no. 32) é um anticorpo monoclonal de camundongo que reconhece um epítopo não fosforilado de uma proteína de neurofilamento pesada (200 kD) na maioria das espécies de mamíferos.  Quando o epítopo é fosforilado a reação é mascarada. Em imunohistoquímica, permite visualização de corpos celulares e dendritos de neurônios, e alguns axônios espessos do sistema nervoso central e periférico, mas axônios finos não aparecem. Outras células e tecidos não reagem. 

Neurofilamentos, que pertencem à família dos filamentos intermediários do citoesqueleto, usualmente contêm 3 subunidades proteicas L, M e H (light, medium, heavy), que estão envolvidos na manutenção do calibre neuronal. NF-H, que tem função importante em axônios maduros, tem várias repetições do tripeptídeo K-S-P  (lisina-serina-prolina). Fosforilação de várias serinas nesta seqüência resultaria em ligações cruzadas entre os filamentos, importantes para a manutenção do calibre axonal. Admite-se que os níveis de fosforilação têm papel na função dos polipeptídeos maiores NF-M e NF-H. 

Dados obtidos da bula do anticorpo do fabricante Abcam (www.abcam.com). 

Literatura adicional - Ouda L, Druga R,  Syka J. Distribution of SMI-32-immunoreactive neurons in the central auditory system of the rat. Brain Struct Funct (2012) 217:1936. 
 

.....
Agradecimentos. Caso estudado com o Prof. Dr. Fábio Rogério.  Procedimentos imunohistoquímicos pelo pessoal do Laboratório de Pesquisa - Ana Claudia Sparapani Piaza, Luzia Aparecida Magalhães Ribeiro Reis e Arethusa de Souza.    Depto de Anatomia Patológica da FCM-UNICAMP, Campinas, SP. 
.....
Mais imagens deste caso:
TC, RM macro  Macro HE,  Masson, Reticulina LFB - Nissl
GFAP, VIM MAP2, cromogranina SNF, NF, SMI-32 CD34, Ki-67
.....
Textos:  ASECG,  esclerose tuberosa (1) (2) Banco de Imagens: Neuropatologia da esclerose tuberosa Características de imagem da esclerose tuberosa Esclerose tuberosa, ASECG, mais casos:  Imagem, Patologia
..
Neuropatologia
- Graduação
Neuropatologia - 
Estudos de casos
Neuroimagem
- Graduação
Neuroimagem - 
Estudos de Casos
Roteiro 
de aulas
Textos 
de apoio
Correlação 
Neuropatologia - Neuroimagem
Índice alfabético - Neuro Adições recentes Banco de imagens - Neuro Textos ilustrados Neuromuscular Patologia - outros aparelhos Pages in English
..
..