Linfoma não Hodgkin de base de crânio (seio cavernoso E) compatível com linfoma de zona marginal extranodal
..
Fem.  56 a.  Atendida inicialmente no PS da UNICAMP em julho de 2004.  História. Há 20 dias iniciou quadro de dificuldade visual rapidamente progressiva, principalmente para leitura e no olho esquerdo. Dificuldade para deambular e desequilíbrio. Nega cefaléia e crises convulsivas.  Exame físico e neurológico consciente, orientada. Glasgow 15, força muscular grau V bilateral.  Ataxia. Marcha de base alargada. Romberg negativo.  Amaurose, midríase, reflexo fotomotor diminuído OE. Paralisia VI nervo E. Possível paresia IV E.  III e V preservados bilateralmente.  RM em 22/7/2004 (abaixo) mostrou lesão expansiva no seio cavernoso E,  medindo 4,5 x 4,5 x 3,5 cm., com impressão diagnóstica de meningioma. 

Em 17/8/04 submetida a biópsia da lesão por craniotomia pré-temporal zigomática E.  Observada invasão óssea da órbita e da fissura orbitária superior. Aberta a dura e biopsiada a lesão no interior do seio cavernoso.  Devido aos achados não sugerirem tumor benigno, optou-se por conduta conservadora e aguardar resultado da biópsia. TC de controle em 24/8/04 - lesão praticamente intacta. 

Diagnóstico histológico foi de lesão inflamatória tipo pseudotumor. Houve boa resposta à corticoterapia. Alta. 

RM de 15/10/04 Tamanho da lesão reduzido para 3 x 1,5 x 4 cm.  Outros controles de RM em 8/4/05 e 9/6/05 mostraram redução ainda maior da lesão (ver comparação de três datas) sendo que a paciente continuou recebendo corticoterapia. No último exame, a lesão formava placa de 1,5 cm. de espessura na fossa média E, com extensão para a cisterna pré-pontina e destruição óssea adjacente. Persistia placa impregnada na meninge da fossa anterior, e o componente que envolvia o foramen óptico e a fissura orbitária superior E. 

Não houve outros retornos.  Paciente foi a óbito em 1/9/05 na cidade de origem. Causa de morte (no atestado de óbito) sepsis, infecção pulmonar. Não foi realizada necrópsia. 

..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA,  22/7/2004 
..
Lesão sólida extraaxial expansiva, de contornos bem definidos, baseada na parede do seio cavernoso e na grande asa do esfenóide E, medindo 4,5 x 4,5 x 3,5 cm. Apresenta hipossinal em T2, isossinal em T1, com acentuada impregnação por contraste. Provoca erosão do apex petroso e se estende inferiormente pelo forâmen rasgado anterior e ao redor do canal carotídeo. Penetra no seio cavernoso, onde desloca medialmente a A. carótida interna E, que apresenta fluxo preservado.  Possui componente lateral E à ponte, que se encontra deformada. Invade o forâmen óptico e apresenta componente ao redor do nervo óptico, na região intraconal. Há aparente invasão da fissura orbitária superior, e crescimento em placa na meninge da fossa craniana anterior bilateralmente. Desloca lateral e superiomente o hipocampo e o giro parahipocampal, comprime o trato óptico e deforma o pedúnculo cerebral. Há grande edema da substância branca nos lobos frontal, temporal e parietal à E, efeito de massa com discreto desvio da linha média e apagamento do ventrículo lateral E.  Focos de hipersinal nas seqüências de TR longo nos centros semiovais bilateralmente por vasculopatia de pequenos vasos. 
Hipótese diagnóstica compatível com meningioma da parede do seio cavernoso e grande asa do esfenóide E.
(Contudo, ver exame histológico e imunohistoquímico, que resultou em linfoma não Hodgkin.) Comentário. Textos
..
MELHORES  CORTES -  AXIAIS 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE T2
..
T1 COM CONTRASTE, DETALHES
..
CORONAIS, T1 COM CONTRASTE
..
SAGITAIS, T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
Para este exame em detalhe, clique


..
TOMOGRAFIA  COMPUTADORIZADA, 24/8/2004
..
Este exame foi realizado uma semana após a craniotomia com biópsia, mas a lesão está praticamente intacta. Observa-se massa de aspecto tumoral, impregnada, de contornos irregulares, na topografia da base, da pequena e da grande asa esquerdas do esfenóide, envolvendo também o ápice petroso. Causa destruição óssea, preenche o seio esfenoidal, invade o seio cavernoso E e o canal óptico, e transborda para a fossa média, deslocando o lobo temporal. Para mais detalhes, ver RM, acima. 
..
Axial com contraste
..
Coronais, sem contraste  Com contraste Janela óssea
Para este exame em detalhe, clique


..
RM 8/4/2005, MELHORES  CORTES  AXIAIS,  T1 COM CONTRASTE
CORTES  CORONAIS, SAGITAIS, T1 COM CONTRASTE
Para este exame em detalhe, clique


..
RM 9/6/2005, MELHORES  CORTES  AXIAIS,  T1 COM CONTRASTE
CORONAIS, SAGITAIS, T1 COM CONTRASTE
Para este exame em detalhe, clique


..
COMPARAÇÃO  DE  TRÊS  DATAS, T1 COM CONTRASTE.  Considerável redução do volume da lesão em resposta a corticoterapia. 
22/7/2004 8/4/2005  9/6/2005

 
EXAMES  EM  DETALHE
..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA,  22/7/2004 
..
CORTES  AXIAIS, T1 SEM CONTRASTE
..
T1 COM CONTRASTE
..
T2
..
CORTES  CORONAIS, T1 COM CONTRASTE
..
CORTES  SAGITAIS, T1 SEM CONTRASTE
..
T1 COM CONTRASTE
..
IMAGENS  MAIS  DETALHADAS
..
AXIAIS, T1 COM CONTRASTE
..
CORONAIS, T1 COM CONTRASTE
..
SAGITAIS, T1 COM CONTRASTE
..
AXIAIS, T2


..
TOMOGRAFIA  COMPUTADORIZADA, 24/8/04
..
Axial com contraste
..
Coronal sem contraste 
..
Coronal com contraste 
..
Janela óssea 


..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA,  8/4/2005 
..
AXIAIS, T1 COM CONTRASTE
..
CORONAIS, T1 COM CONTRASTE
..
SAGITAIS, T1 COM CONTRASTE


..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA,  9/6/2005 
..
AXIAIS, T1 COM CONTRASTE
..
CORONAIS, T1 COM CONTRASTE
..
SAGITAIS, T1 COM CONTRASTE
..
Para HE, IH desta paciente, clique  »
..
Textos
relacionados: 
linfomas primários do SNC linfoma de células do manto, linfoma de zona marginal, linfoma linfoplasmocítico. linfomas ósseos envolvimento ósseo pela doença de Hodgkin linfomas T/NK Pseudotumor
inflamatório
..
Neuropatologia
- Graduação
Neuropatologia - 
Estudos de casos
Neuroimagem
- Graduação
Neuroimagem - 
Estudos de Casos
Roteiro 
de aulas
Textos 
de apoio
Correlação 
Neuropatologia - Neuroimagem
Índice alfabético - Neuro Adições recentes Banco de imagens - Neuro Textos ilustrados Neuromuscular Patologia - outros aparelhos Pages in English
..
..