Linfoma T/NK sistêmico envolvendo medula espinal e cérebro 
Masc.  25a. 
Em agosto de 2006 iniciou quadro de rápida instalação de fraqueza nos MMII, maior à E, com dificuldade para deambulação e para iniciar micção, e com constipação intestinal. 
Exame neurológico. Força muscular grau V MID e grau IV MIE, principalmente em musculatura proximal. Sensibilidade dolorosa abolida em ambos MMII até nível T10 à D, diminuída à E. Babinski bilateral, maior à E. 
Líquor proteína 55 mg/dl, glicose 45 mg/dl, leucócitos 47/mm3, 100 % linfócitos, hemácias 7/mm3. Dx sugestivo de mielite transversa. 
Resultados de RM de coluna e crânio, mostrados abaixo, levantaram a hipótese de doença desmielinizante em fase aguda, possivelmente esclerose múltipla.
Evolução pulsoterapia com corticosteróides, com melhora. Alta com azatioprina e betaferon; após 40 dias foi associado metotrexate. 
Em 11/06 - deambulante com bengala.  Foi piorando gradualmente e deixou de andar. 
Em 1/07 - Há duas semanas novamente com perda de força muscular MMII.  Continuou com betaferon e metotrexate. Hemograma:  leucopenia e plaquetopenia (4130 leucócitos/mm3; 83000 plaquetas/mm3). Suspensa medicação. 
Em 2/07 quadro súbito de cefaléia intensa, diminuição do nível de consciência, anisocoria E > D, seguindo-se coma.  TC de crânio (abaixo) hemorragia extensa de fossa posterior e múltiplos focos hemorrágicos em hemisférios cerebrais.  Óbito após 48 horas. 

 
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA  COLUNA,  30/8/06
..
CORTES  SAGITAIS, T2. Alteração de sinal (hipersinal) em extensa área fusiforme e contínua, afetando a porção central da medula espinal desde níveis torácicos médios até o cone medular. Uma orla de substância branca é poupada. 
..
SCOUT E CORTES  AXIAIS, T2.  Cortes tomados nos níveis 2, 4, 6, 11, 13 e 14. Primeiro corte torácico alto, normal. Nos demais, hipersinal na região central da medula, afetando a substância cinzenta e poupando orla de substância branca, nos níveis torácicos baixos, lombar e sacral. 

 
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA  CRÂNIO,  15/9/06
..
CORTES  AXIAIS, FLAIR. Múltiplos focos de hipersinal nos hemisférios cerebelares e cerebrais, predominando na substância branca, mas alguns parecem afetar também o córtex. 
..
T1 COM CONTRASTE. Focos de impregnação por contraste em localização aproximadamente superponível aos das lesões com hipersinal em FLAIR, acima. 
..
COMPARATIVO. Há notável correspondência topográfica das lesões em T1 com contraste e FLAIR.  Na época, foram consideradas compatíveis com focos agudos de desmielinização, com quebra de barreira hemoencefálica. 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE FLAIR
..
CORTES  CORONAIS
T1 COM CONTRASTE FLAIR
DETALHES, T1 COM CONTRASTE
FLAIR

TOMOGRAFIA  COMPUTADORIZADA  CRÂNIO,  11/2/2007
..
Sem contraste. Hemorragia em fossa posterior, apagamento do IVº ventrículo e cisternas basais, dilatação dos ventrículos laterais, apagamento dos sulcos bilateralmente, hemorragias em lobos frontal, parietal e occipital D, e occipital E, desvio de linha média para E no frontal. Comparar com cérebro na autópsia.
..
Para mais sobre este caso: Página de resumo

Textos: 
Células NK
Linfomas T/NK

Macro
HE cérebro HE medula - Linfoma  HE medula - Outros achados
Linfoma medula IH Outros órgãos HE Endocárdio IH, tipagem
Neuropatologia
- Graduação
Neuropatologia - 
Casos Complementares
Neuroimagem
- Graduação
Neuroimagem - 
Casos Complementares
Correlação 
Neuropatologia - Neuroimagem
VOLTA À PÁGINA ÍNDICE