Cordoma  de  clivus
Fem.  54 a.  Primeiro atendida em 1996 com história arrastada de baixa progressiva da acuidade visual bilateralmente há cerca  de 6 anos na época.  Exame oftalmológico.  OD conta dedos a 30 cm.  OE - vultos.  FO pigmentação retiniana disseminada com atrofia das papilas, mais intensa OD.  Paciente hipertensa, e diabética. 

Em setembro de 2005 Retorna com queixa de, há cerca de 20 dias, cefaléia pulsátil  parietal e temporal E, ptose da pálpebra E, perda súbita da visão de ambos os olhos, e dificuldade em olhar para a E.   Exame neurológico paresia III, IV, VI nervos cranianos à E. Pupila não reagente à E (IIIº par). 

Exames de neuroimagem: radiografias (abaixo); TC e RM de crânio. 

..
RADIOGRAFIAS  SIMPLES, 5/10/2005
Processo destrutivo e infiltrativo irregular no corpo do esfenóide e clivus. 
..

TOMOGRAFIA  COMPUTADORIZADA, 18/10/2005
Lesão lítica expansiva e destrutiva em topografia de sela túrcica, seio esfenoidal e clivus, maior à E, com pequeno comprometimento do ápice petroso deste lado, comprimindo e escavando a base da ponte.  Há realce heterogêneo por contraste. 
Axial, comparativo
Sem contraste  Com contraste  Janela óssea 
Axial  sem contraste 
Com contraste 
Janela óssea 
....
Scout de orientação para os cortes coronais.
Coronal, comparativo
Sem contraste  Com contraste  Janela óssea 
Coronal sem contraste 
Com contraste 
Janela óssea 
..

RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA, 26/9/2005
MELHORES  CORTES
T2
T1
C
T1
Massa sólida expansiva no clivus, maior à E, com isosinal em T1, sinal heterogêneo em T2, e impregnação forte e heterogênea por contraste. A lesão invade o seio esfenoidal, preenchendo-o.  Invade a sela túrcica deslocando a hipófise superiormente e sem plano de clivagem com a mesma. Invade o seio cavernoso E, englobando a artéria carótida intracavernosa, que apresenta diâmetro reduzido e fluxo presente. Desloca para cima os nervos e quiasma óptico, oblitera o forâmen óptico E, cresce nas cisternas da fossa posterior, comprimindo e escavando a base da ponte e o bulbo, principalmente à E. 
CORTES  AXIAIS, T1 SEM CONTRASTE
T1 COM CONTRASTE
T2
..
CORTES  SAGITAIS, T1 SEM CONTRASTE
T1 COM CONTRASTE
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
..
COMPARAÇÃO entre o caso atual e um caso normal. RM sagital na linha média em T1 sem contraste. Notar a posição do cordoma na base do crânio. O tumor preencheu o seio esfenoidal e destruiu parte do clivus formado pelo baso esfenóide e o basooccipital. Neste osso normalmente observa-se um triângulo de material brilhante, que corresponde a tecido adiposo. Parte deste está substituído por tumor.  O tumor também faz proeminência para a fossa posterior (cisterna pré-pontina) e deforma a base da ponte. Destrói a sela túrcica e eleva o quiasma e trato ópticos. 
CORDOMA NORMAL

 
Para mais imagens deste caso: Biópsia transnasal, 
HE, colorações, IH
Necrópsia, HE
Outros casos de cordoma:  Neuroimagem Neuropatologia Texto complementar
Neuropatologia
- Graduação
Neuropatologia - 
Casos Complementares
Neuroimagem
- Graduação
Neuroimagem - 
Casos Complementares
Correlação 
Neuropatologia - Neuroimagem
VOLTA À PÁGINA ÍNDICE