Astrocitoma difuso temporal E, com recidiva anaplásica  após 3 anos.  Hérnia  transtentorial  e  compressão do  tronco 
1. RMs de 2002 e 2005, destaques. 
..
Masc.  43 a.  Em maio de 2002, época do primeiro exame, queixas de cefaléia de forte intensidade há 1 mês, perda súbita da visão do olho D há uma semana. Também perda de memória, crises epilépticas, e alteração motora na mão D. Dois episódios de crise parcial tônico-clônica em membro superior D.  Exame neurológico hemianopsia homônima D, hemiparesia D. 

Nesta página - melhores imagens e comentários de 2 exames, em 2002 (pré-operatório)  e 2005 (recidiva após 3 anos). 
Em outra página, exames de 2002 e 2005 em  detalhe.

..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA, 15/5/2002 
..
Lesão infiltrativa temporal E, atingindo o hipocampo, estendendo-se ao istmo do giro do cíngulo, com áreas de hipersinal no T1 sem contraste, que comprime o foramen de Monro e causa represamento liquórico no ventrículo lateral E. O tumor penetra pela fissura coróidea e vegeta no ventrículo lateral. No FLAIR, o tumor tem hipersinal, e nota-se bem a vegetação no ventrículo lateral e nas cisternas perimesencefálica e cerebelar superior, deformando o mesencéfalo. Portanto o tumor cresce ao mesmo tempo no espaço subaracnóideo e no ventrículo lateral, um comportamento diferente da maioria dos astrocitomas difusos. Com contraste, o tumor impregna-se apenas discretamente.  Já há algum hipersinal no T1 sem contraste. 
..
MELHORES  CORTES  -  AXIAIS.  Grande tumor heterogêneo no lobo temporal E, com expansão medial comprimindo o mesencéfalo e a A. cerebral posterior E, e herniando à fossa posterior pela incisura do tentório. Lesão tem predominantemente hiposinal em T1, com focos de hipersinal, e mostra apenas mínima impregnação por contraste. Nos cortes com TR longo apresenta forte hipersinal, indicativo de caráter hidratado.  Nos planos mais superiores, o tumor penetra no ventrículo lateral E e aí cresce extensamente, levando a seqüestro do corno posterior. 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE FLAIR
..
..
T2
..
CORTES  CORONAIS, T1 COM CONTRASTE.  A partir do lobo temporal E, o tumor cresce medialmente para cima e para baixo. Para cima penetra e vegeta no ventrículo lateral E, comprimindo o plexo coróideo e levando à seqüestração da cavidade.  Para baixo, insinua-se na cisterna perimesencefálica, passando para a fossa posterior à maneira de uma hérnia de uncus. A isto chamamos hérnia transtentorial descendente, no caso, tumoral.  No processo há compressão do mesencéfalo e da artéria cerebral posterior E. Neste caso, porém, não houve um infarto calcarino, talvez porque a expansão do tumor foi lenta, permitindo acomodação das estruturas. 
..
..
CORTES  SAGITAIS, T1 SEM CONTRASTE. O tumor vegeta na cisterna ambiens (= cisterna perimesencefálica) e passa através da incisura do tentório para a fossa posterior, comprimindo o vermis cerebelar. No corte mostrado sem e com contraste, o tumor vegeta no interior do ventrículo lateral E, obstruindo-o ao nível do átrio, e seqüestrando o corno posterior, que ficou dilatado por acúmulo de líquor. 
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
..
..
ESPECTROSCOPIA  DE  PRÓTONS
Há aumento  dos picos de colina e creatina, e diminuição do pico de NAA na região analisada, compatíveis com tecido tumoral. 
..
RESSONÂNCIA  MAGNÉTICA, 9/6/2005 
..
Paciente foi operado em 2002 em outro serviço, com retirada extensa do tumor. Voltou em 2005 com cefaléia. A RM demonstrou lesão no ventrículo lateral E, que impregna. Conclusão : lesão residual ou recidiva tumoral. 
..
MELHORES  CORTES  -  AXIAIS.  Na primeira fila, cortes pela porção inferior dos lobos temporais, mostrando a extensa lacuna cirúrgica no temporal E, preenchida por líquor, que tem ausência de sinal em T1 e brilha forte em T2.  Nas duas outras filas, lesão tumoral residual ou recidivada, preenchendo a porção principal do ventrículo lateral E. A massa tem isosinal em T1, hipersinal em T2 e impregna-se por contraste de forma irregular, por vezes forte.  A impregnação indica quebra da barreira hemoencefálica e, portanto, proliferação vascular, um dos critérios de anaplasia segundo a OMS
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE T2
..
CORTES  CORONAIS. Preenchimento da porção principal do ventrículo lateral E pelo tumor. Outras áreas da extensa lacuna cirúrgica não impregnam. O tumor dá intenso hipersinal em FLAIR testemunhando o alto grau de hidratação.  As outras áreas com hipersinal em FLAIR margeando a lacuna cirúrgica correspondem provavelmente a gliose (cicatrização após a ablação do tumor). 
T1 COM CONTRASTE FLAIR
..
CORTES  SAGITAIS
T1 SEM CONTRASTE T1 COM CONTRASTE
..
ESPECTROSCOPIA  colhida da área tumoral mostra grande pico de colina em 3,2 ppm, que domina o espectro, e forte redução ou ausência do pico de NAA em 2 ppm. A  falta de NAA indica ausência de neurônios e seus prolongamentos na região amostrada, já que se trata de tecido neoplásico apenas.  A colina está envolvida no turnover de membranas, e sua elevação é forte evidência de crescimento tumoral.
..
Para os exames de 2002 e 2005 em  detalhe, clique. 
..
Mais sobre astrocitomas difusos: 
Na graduação Texto ilustrado Casos de neuroimagem Casos neuropatológicos
..
Neuropatologia
- Graduação
Neuropatologia - 
Estudos de casos
Neuroimagem
- Graduação
Neuroimagem - 
Estudos de Casos
Roteiro 
de aulas
Textos 
de apoio
Correlação 
Neuropatologia - Neuroimagem
Índice alfabético - Neuro Adições recentes Banco de imagens - Neuro Textos ilustrados Neuromuscular Patologia - outros aparelhos Pages in English
..
..