Departamento de Anatomia Patológica

Patologia Ginecológica

         Os casos clínicos contidos neste site são fruto das reuniões semanais da Prof. Dra. Liliana De Angelo Andrade com os residentes do Departamento de Anatomia Patológica. O objetivo do site é difundir o conhecimento sobre o assunto ajudando estudantes, residentes e profissionais a manterem-se constantemente atualizados.



Caso 137: 36 anos, aumento de volume uterino por mioma. Histerectomia com nódulo intramural bem delimitado, com 6,5 cm de diâmetro, com áreas de hemorragia.


Figura 1



Figura 2



Figura 3



Figura 4



Figura 5



Figura 6



Figura 7

Descrição microscópica: Neoplasia bem delimitada (Fig. 1), constituída por células musculares lisas, fusiformes, sem atipia, com áreas de hemorragia (Fig. 2) e de necrose focal (Fig. 3, 4) e figuras de mitose (Fig. 5, 6), com contagem de 8 mitoses em 10 campos de grande aumento.

Diagnóstico: Tumor de músculo liso de potencial maligno incerto.

Comentário: pela idade jovem da paciente, temos sempre que afastar as variantes do leiomioma, antes de pensar em leiomiossarcoma. Neste caso, existe necrose focal, não há atipias e as mitoses são comuns, porém não atingem o nível de 10 ou mais em 10 campos de grande aumento. Pelos critérios da OMS (Fig. 7), esta neoplasia de músculo liso se enquadra no potencial incerto, com experiência limitada quanto ao comportamento biológico. Por isso, a paciente deve ser seguida de perto, com mais regularidade. O uso de marcadores imuno-histoquímicos, geralmente não auxilia no diagnóstico (Fig. 7).