Página Inicial
Contato

 Busca

+ Palavras Chave:
   
  colo uterino
  corpo uterino
  endométrio
  ovário
  pelve
  peri-anal
  vagina
  vulva
  tuba
 

 Links

 
 


 
 



 

      Os casos clínicos contidos neste site são fruto das reuniões semanais da Prof. Dra. Liliana De Angelo Andrade com os residentes do Departamento de Anatomia Patológica. O objetivo do site é difundir o conhecimento sobre o assunto ajudando estudantes, residentes e profissionais a manterem-se constantemente atualizados.

 

Caso 156: 49 anos com pólipo endocervical que foi retirado.


Figura 1




Figura 2




Figura 3




Figura 4




Figura 5




Figura 6



Descrição microscópica: Lesão polipóide de mucosa endocervical com proliferação de glândulas pequenas, justapostas, revestidas por epitélio endocervical sem atipias (Fig. 1, 2), com proliferação das células subcolunares ou de reserva, que se apresentam vacuoladas (Fig. 3, 4, 5). Notam-se áreas de metaplasia escamosa imatura do epitélio endocervical (Fig. 3, 6). Não são observadas mitoses e nem corpos apoptóticos.

Diagnóstico: Pólipo da mucosa endocervical com hiperplasia microglandular florida da endocérvice.

Comentário: A hiperplasia da mucosa endocervical é evento comum nas biópsias do colo uterino, geralmente associadas ao uso de anticoncepcional oral. A proliferação glandular pode ser mais complexa e florida como no presente caso, mostrando até aspecto cribriforme. Em alguns casos pode ser confundida com adenocarcinoma endocervical. Entretanto, não são observadas mitoses, nem atipia nuclear ou corpos apoptóticos. A proliferação das células subcolunares, ou células de reserva, que são totipotentes e podem se diferenciar tanto para epitélio escamoso como cilíndrico, é característica da hiperplasia microglandular endocervical.
Contador de visitantes:
website stats
Departamento de Anatomia Patológica
Faculdade de Ciências Médicas