Página Inicial
Contato

 Busca

+ Palavras Chave:
   
  colo uterino
  corpo uterino
  endométrio
  ovário
 

 Links

 
 


 
 



 

      Os casos clínicos contidos neste site são fruto das reuniões semanais da Prof. Dra. Liliana De Angelo Andrade com os residentes do Departamento de Anatomia Patológica. O objetivo do site é difundir o conhecimento sobre o assunto ajudando estudantes, residentes e profissionais a manterem-se constantemente atualizados.

 

Caso 69: 38 anos, histerectomia subtotal por miomas. Útero com vários nódulos suserosos, intramurais e submucosos, medindo de 07, a 3,2 cm de diâmetro.


Figura 1




Figura 2




Figura 3




Figura 4




Figura 5



Descrição microscópica: ao lado de neoplasia constituída por células musculares típicas distribuídas em feixes em várias direções (Fig 1), observa-se um nódulo com proliferação de células de citoplasma claro, em arranjo angiomatóide, núcleo grande e uniforme, dispostas em meio à proliferação de células musculares lisas (Figuras 2, 3, 4 e 5).

Diagnóstico: Tumor adenomatóide do corpo uterino associado a leiomiomas.

Comentário: O tumor adenomatóide é geralmente achado incidental em histerectomias pois é confundido na macroscopia com os leiomiomas. É neoplasia benigna de células mesoteliais, subserosa, que geralmente mede menos de 5 cm de diâmetro e se localiza próximo à região cornual da tuba. Microscopicamente pode apresentar vários padrões: adenóide, angiomatóide, cístico, sólido e papilífero. O estroma tumoral é constituído pela proliferação de células musculares lisas ou tecido fibroso. Pela imuno-histoquímica as células expressam citoqueratina, vimentina, calretinina e WT1.
Contador de visitantes:
website stats
Departamento de Anatomia Patológica
Faculdade de Ciências Médicas
images/logos/