Página Inicial
Contato

 Busca

+ Palavras Chave:
   
  colo uterino
  corpo uterino
  endométrio
  ovário
 

 Links

 
 


 
 



 

      Os casos clínicos contidos neste site são fruto das reuniões semanais da Prof. Dra. Liliana De Angelo Andrade com os residentes do Departamento de Anatomia Patológica. O objetivo do site é difundir o conhecimento sobre o assunto ajudando estudantes, residentes e profissionais a manterem-se constantemente atualizados.

 

Caso 9 - 80 anos, pólipo em colo uterino.


Figura 1




Figura 2




Figura 3




Figura 4




Figura 5



Neoplasia maligna pouco diferenciada de pequenas células. O estudo imunoistoquímico mostrou o seguinte perfil: positivo para Citoqueratinas (AE1-AE3); CEA; Cromogranina e Sinaptofisina, demonstrando diferenciação epitelial e neuro-endócrina.

O diagnóstico final foi de: Carcinoma indiferenciado de pequenas células com diferenciação neuro-endócrina do colo uterino.

Os carcinomas pouco diferenciados com diferenciação neuro-endócrina correspondem a cerca de 2% dos carcinomas do colo uterino e ocorrem em ampla faixa de idade: dos 20 aos 87 anos, estando a maioria na quinta década. Têm comportamento biológico agressivo. Em raros casos pode se manifestar clinicamente pela produção de hormônios: síndrome de Cushing (corticotropina), hipoglicemia (insulina), síndrome carcinóide (serotonina), etc..

Histologicamente são neoplasias densamente celulares, com variados padrões: sólido, trabecular, cordonal, acinar ou com “roseta-like”. As células têm escasso citoplasma e núcleos hipercorados, com nucléolos pouco marcados e freqüentes artefatos de esmagamento da cromatina (crush). O índice mitótico é geralmente alto, com mais de 10 figuras de mitose em 10 campos de grande aumento. O tamanho das células é variado, sendo descritos carcinomas de pequenas células, de células intermédias e grandes células. Focos de diferenciação escamosa ou de adenocarcinoma podem ser encontrados em 50% dos casos.

A diferenciação neuro-endócrina pode ser verificada pela argirofilia citoplasmática. O estudo imunoistoquímico pode marcar uma variedade de componentes: EMA, CEA, NSE, Cromogranina (Figura 5), Sinaptofisina, Gastrina, Calcitonina, etc.

Existe relação da infecção pelo HPV-18 com este tipo de neoplasia.

Tem comportamento agressivo, com baixa sobrevida, ao redor de 30%, em 2 anos de evolução.
Contador de visitantes:
website stats
Departamento de Anatomia Patológica
Faculdade de Ciências Médicas
images/logos/